Webinar da ABIMO esclarece novo Marco Legal das Startups

O novo “Marco Legal das Startups”, que criará um ambiente regulatório favorável para as empresas inovadoras, é o tema do próximo webinar organizado pela ABIMO. O evento online será realizado dia 29/6, das 9h30 às 11h, no canal da ABIMO no YouTube.

As principais novidades sobre o assunto serão detalhadas pelos advogados Rodolfo Tamanaha e Luciana Renouard, da Madrona Advogados. E, para elucidar o tema, os participantes assistirão ao case de uma empresa, demonstrando um depoimento real.

Abrirão o webinar Paulo Henrique Fraccaro, superintendente da ABIMO; Márcio Bósio, diretor institucional da associação; José Menezes, coordenador de startups da EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial); e Eduardo Emrich, CEO e presidente da Biominas Brasil.

“O Marco Legal das Startups e do Empreendedorismo Inovador proporciona mais segurança jurídica, tanto aos empreendedores quanto às empresas investidoras que se inserem no ecossistema brasileiro de inovação aberta”, comenta Fraccaro.

A legislação apresenta medidas de estímulo à criação de empreendimentos inovadores e estabelece incentivos por meio da melhoria do ambiente de negócios; da simplificação e desburocratização; da redução de custos; além da ampliação dos investimentos em startups, com o objetivo de levar o Brasil a integrar esse grupo das principais startups no mundo.

“A nova lei representa também um marco para todas as empresas, pesquisadores e investidores desse ecossistema. A inovação nunca foi tão importante e, ao mesmo tempo, tão difícil de ser implementada. Para quem deseja tornar-se ou manter-se competitivo no mercado, inovar é mandatório”, ressalta Eduardo Emrich da Embrapii.

O modelo de “Inovação Aberta” é uma tendência. Segundo José Menezes, apesar de conter diferentes interpretações, o termo refere-se à alavancagem de fontes externas que objetiva impulsionar o crescimento interno, sendo o resultado de um conjunto complexo de relações entre diferentes atores, incluindo companhias consolidadas, startups, universidades, institutos de pesquisa e organizações de suporte a este ecossistema, diz o coordenador de startups.

Essa forma de inovação torna-se especialmente importante quando se trata de negócios que envolvem tecnologias e soluções científicas de maior complexidade técnica e riscos, mas com considerável potencial de impacto, como no setor de saúde.

Veja também