Superando 2018, empresas brasileiras esperam gerar mais de US$ 5 milhões em negócios após AEEDC Dubai

Ano passado indústria nacional encerrou evento com expectativa de US$ 4 milhões em comércio nos 12 meses seguintes à feira; edição de 2019 foi realizada entre 5 e 7 de fevereiro

A indústria de odontologia brasileira que marcou presença na AEEDC Dubai entre 5 e 7 de fevereiro encerra a participação de 2019 superando a expectativa batida no ano passado: as empresas esperam gerar mais de US$ 5 milhões em novos negócios nos próximos 12 meses, US$ 1 milhão a mais do que o imaginado na edição de 2018. O evento, que integra o calendário de ações do Brazilian Health Devices, projeto setorial executado pela ABIMO em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), é considerado a segunda maior feira do setor no mundo.

Em meio aos mais de 1,9 mil expositores, as marcas brasileiras realizaram cerca de 793 contatos ao longo dos três dias de feira, sendo que 587 foram com novos distribuidores e possíveis compradores. “Foi um evento que nos surpreendeu principalmente pela qualidade do público visitante”, comenta Larissa Gomes, coordenadora de promoção comercial da ABIMO.

Para Karen Fernandes Jones, diretora de operações do escritório regional da Apex-Brasil que apoia as empresas nacionais interessadas em realizar negócios no Oriente Médio e no norte da África, foi satisfatório ver que a indústria brasileira está motivada com as possibilidades da região. “É muito interessante observar que temos tantas empresas visando a novos negócios dentro desse setor, que oferece boas oportunidades para o Brasil especialmente em países como Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, os quais têm feito grandes investimentos em expansão na área de saúde”, declara frisando que o escritório da agência está à disposição para dar todo o suporte necessário às marcas que buscam o comércio exterior.

Complementando o posicionamento de Karen, Larissa também destaca a ampla gama de oportunidades oferecidas no Oriente Médio. “A região é estratégica e tem potencial para a cadeia produtiva brasileira. Por aqui conseguimos visualizar bons negócios para o futuro”, disse.

Visitando o evento, o embaixador do Brasil junto aos Emirados Árabes Unidos, Fernando Luís Lemos Igreja, destaca o ótimo reconhecimento da indústria nacional no mercado de saúde do Oriente Médio. “Este é um mercado dinâmico e aberto à participação brasileira. Os compradores locais têm muito interesse na aquisição dos nossos produtos. Vemos que não se trata apenas do preço. O produto brasileiro atrai pela qualidade”, declarou.

Pela primeira vez na AEEDC Dubai, a Regener Biomateriais apostou na comercialização de um de seus produtos mais inovadores. “Apresentamos o Blue Bone, tecnologia suíça fabricada no Brasil que está sendo muito bem aceita no mercado externo. Logo no início do evento, nosso estoque de demonstração foi totalmente consumido”, comenta Marcel Melhem, representante da marca, mencionando que a feira foi muito proveitosa para que a empresa firmasse novas parcerias. “É um prazer estar aqui e contar com o apoio da ABIMO, nossa grande facilitadora”, completou.

Também estreante no evento, a Baumer enxerga excelentes oportunidades no mercado local, como comenta Bruno Alzuguir. “Essa é a segunda maior feira de odontologia do mundo e estamos muito satisfeitos por fazer contatos excelentes não somente com a região dos países árabes, mas também com África e arredores”, diz agradecendo o suporte do Brazilian Health Devices em toda a logística e infraestrutura montada para que as marcas nacionais pudessem receber com qualidade os visitantes do evento.

A feira atraiu cerca de 50 mil pessoas vindas de 155 países. O pavilhão nacional foi abordado por decisores de nações como Arábia Saudita, Barein, Emirados Árabes Unidos, Egito, Índia, Irã, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Paquistão, Qatar, Quênia, Síria, Sudão e Turquia.

Veja também