SBEB realiza debate com o tema: Ventilação pulmonar

SBEB realiza debate com o tema “Ventilação pulmonar: aspectos clínicos, regulatórios e ações em engenharia biomédica/clínica” e ABIMO fala sobre o papel da indústria no momento atual

Evento que foi feito online contou com a participação do presidente da associação, Franco Pallamolla, que também abordou as perspectivas futuras para o setor no pós-pandemia

A SBEB (Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica) realizou na última quarta-feira (15) um ciclo de debates online com o tema “Ventilação pulmonar: aspectos clínicos, regulatórios e ações em engenharia biomédica/clínica”. O encontro trouxe em sua pauta temas de interesse para o setor da saúde devido ao momento de enfrentamento à pandemia do coronavírus e, por isso registrou um recorde de público de 500 ouvintes durante sua transmissão.

O evento foi moderado pelo professor da FEEC (Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação) e CEB/UNICAMP (Centro de Engenharia Biomédica / Universidade Estadual de Campinas), Eduardo Costa que iniciou as discussões abordando a visão dos profissionais da saúde sobre a importância dos equipamentos de suporte à vida e a escassez destes em um momento crucial.

A produção de ventiladores pulmonares, presente desde o título do encontro foi amplamente discutida por diferentes participantes que trouxeram os seus apontamentos em relação a urgente demanda, capacidade de produção, desenvolvimento de novos projetos, teste e fabricação em larga escala.

Ainda sobre esse tópico, os participantes analisaram cenários possíveis para o uso de equipamentos de baixo custo pelos profissionais da saúde caso esses venham a atender ao marco regulatório da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e o futuro desses projetos que foram iniciados para o combate à COVID-19.

Retomada da indústria

O presidente da ABIMO, Franco Pallamolla foi um dos convidados do ciclo de debates para abordar o papel da indústria nesse momento de alta demanda de equipamentos para a área de saúde. Na ocasião, também foram tratados os temas do desmonte da indústria e a ausência de incentivos para a produção no país.

“Entendo que o desmonte da indústria não é um problema apenas brasileiro, mas agora a população está percebendo o descaso que o Estado faz com esse setor. Não é crível que a sociedade trate o segmento da saúde e de todas as tecnologias nele abarcadas como um setor irrelevante, sem considerar toda a importância que ele possui”, afirma o presidente da ABIMO.

Pallamolla também enfatizou que a pandemia trará um novo olhar para a necessidade de políticas para a produção nacional, que atualmente está dependente da exportação, uma vez que no Brasil os custos para a produção são altos e não competem em igualdade com produtos importados. “Nós temos hoje modelos tributários que não justificam a produção no Brasil. A tributação de quem produz no País é maior do que a de quem traz de fora o mesmo produto, ou seja, a própria matriz tributária já nasce incongruente para o nosso setor, pois ela favorece o importado”, esclarece.

Ouça a primeira parte da participação do Franco Pallamolla

Ele explica que o momento pós-pandemia será de muito trabalho para as indústrias que precisarão mais do que nunca buscar nesse período reafirmar a sua relevância e fortalecer as estratégias futuras.

“Vários países são dependentes da importação, mas a crise desencadeada pela COVID-19 e o pós-pandemia trarão um movimento de reversão, e esses mesmos países vão buscar um equilíbrio. Acredito que nós teremos um espaço importante para construir um novo cenário, que seja favorável a reindustrialização deste importante segmento”, analisa o presidente da ABIMO, Franco Pallamolla.

Ouça a segunda parte da participação do Franco Pallamolla 

Debate

Outros pontos também ganharam destaque durante as discussões como a manutenção dos equipamentos que foram importados e/ou desenvolvidos em caráter emergencial para esse momento de pandemia; definição de protocolos para o desenvolvimento de novos projetos e como testar e regulamentar tecnologias que estarão em uso. Para conferir o vídeo do debate na íntegra, clique aqui

Veja também