Projeto Brazilian Health Devices promove ações na Casa Brasil

A ABIMO, por meio do seu projeto Brazilian Health Devices (BHD), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), está presente na Casa Brasil, com um Showroom de produtos de Tecnologias Assistivas voltados à funcionalidade e bem-estar da pessoa com deficiência. Ontem (7), data de abertura dos Jogos Paralímpicos, o BHD promoveu dois seminários no local: o primeiro com o tema “A Tecnologia Assistiva a favor da inclusão do esporte”, que contou com a participação de Elisandra Denise Benetti, da Ibramed, Pablo Moya e Carolina Kobylanski, ambos da Jumper Wheelchairs.

No período da tarde, o seminário: “O desenvolvimento das Tecnologias Assistivas para funcionalidade do indivíduo” trouxe o gerente de vendas da Freedom, Márcio Luis Weissheimer, e a fundadora e idealizadora da ONG Noisinho da Silva, Erika Foureaux.  “Com a tecnologia da comunicação, cada vez mais as indústrias estarão se preparando para trazer produtos que possam atender com eficiência e de acordo com as expectativas dos usuários”, ressaltou o superintendente da ABIMO, Paulo Henrique Fraccaro, que participou dos dois seminários. “Acredito que com a liberdade da comunicação, a engenharia terá um grande desafio, pois os pacientes vão estar à procura de produtos cada vez mais inovadores e que atendam às suas necessidades, e não vejo limite para isso”, completou Fraccaro.

O gestor de projetos da Apex-Brasil, Gabriel Isaacsson, destacou o trabalho desenvolvido pela agência durante sua apresentação. “A Apex-Brasil trabalha fortemente o posicionamento da imagem do nosso país no exterior e nada é mais positivo para o Brasil do que estar vinculado a um evento global como esse que simboliza superação, resiliência e uma grande capacidade de vencer”, pontuou Isaacsson, que ainda complementou: “Quando nos foi dado o desafio de trabalhar o fomento ao comércio exterior da indústria brasileira de tecnologia assistiva, nos demos conta que não teríamos como trabalhar a  tecnologia assistiva como trabalhamos a maioria dos setores industriais brasileiros. Nos propusemos a trabalhar intersecções de tecnologias assistivas com os diferentes setores industriais que já apoiamos as exportações e com isso, notamos potencial sinergia para início dos trabalhos com a ABIMO e o projeto Brazilian Health Devices”.

Durante todo o dia, os atletas Pedro Henrique Amorim, praticante de WCMX, ou Wheelchair Motocross, Diego Coelho, praticante de crossfit e João Henrique (John), atleta de skate, estiveram no stand do BHD e fizeram demonstrações dos produtos.

Mercado 

Um estudo realizado pelo CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos) a pedido da Secis/MCTI (Secretaria de Ciência e Tecnologia para a Inclusão Social do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) identificou que o Brasil tem grande competência para o desenvolvimento de tecnologia assistiva, mas, para que ocorra, é fundamental que ações planejadas e integradas sejam implementadas considerando a participação de governo, associações de classe e indústria. Na avaliação do especialista do CGEE e coordenador do estudo, Milton Paz, há potencial intelectual no Brasil para o desenvolvimento dessas tecnologias em condições semelhantes ou até superiores em relação a iniciativas de instituições de países de primeiro mundo, como a Alemanha, a Inglaterra ou os Estados Unidos.

Para incentivar e incrementar os negócios na área, a Apex-Brasil tem voltado esforços a fim de aumentar o número de empresas brasileiras da área de tecnologia assistiva no exterior. A agência firmou parceria com a ABIMO para pôr em prática um plano de negócios que indicará potenciais mercados no exterior. Nesse projeto se pretende organizar internamente uma parte do setor, regulamentá-lo e prepará-lo para o mercado internacional. Segundo Clara Porto, gerente de marketing e exportação da ABIMO, a ideia é fazer um planejamento estratégico que impulsionará as exportações dos fabricantes brasileiros de produtos de tecnologia assistiva de saúde.

Além de fazer um estudo detalhado sobre o mercado local – com mapeamento dos fabricantes, identificação de lacunas e pontos a melhorar para fortalecer a indústria nacional –, a ABIMO trabalhará em conjunto com associações de países cujo segmento de tecnologia assistiva já está estrategicamente organizado. “A ABIMO buscará fazer um trabalho de aproximação para troca de experiências, mantendo sempre a Apex-Brasil envolvida no processo. Além de associações alemãs, também consultaremos a Medilink UK, contraparte britânica com a qual a ABIMO já tem Memorando de Cooperação assinado, e a ADVAMED, contraparte dos Estados Unidos”, explicou.

 

Jogos Paralímpicos

Durante 11 dias de competição serão realizadas 528 provas que valerão medalhas. Segundo a Rio 2016, mais de quatro mil atletas irão competir. Atualmente, são 28 esportes reconhecidos, entre eles atletismo, biatlo, natação, judô, futebol, ciclismo, tênis em cadeira de rodas, levantamento de peso e tiro. Neste ano, canoagem e triatlo farão sua estreia nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

Voltados aos atletas que participam de competições adaptadas às suas necessidades especiais, os jogos paralímpicos tiveram sua estreia nos Jogos de Roma, na Itália, em 1960, e contaram com a participação de 400 paratletas, de 23 países, que competiram em provas exclusivas para usuários de cadeiras de rodas. Em 2012, nos Jogos de Londres, 164 países participaram dos jogos, levando um total de 4.294 atletas.

Além da habilidade e garra do atleta, a tecnologia é uma importante aliada para quem disputa o lugar mais alto do pódio. São as inovações tecnológicas, fomentadas por pesquisas e estudos da área, que contribuem para que os equipamentos como cadeiras de rodas, órteses e próteses adquiram melhor qualidade. Afinal, são esses equipamentos que ajudarão o atleta a desempenhar um papel de alta performance e devem resistir aos esforços exigidos em uma competição do porte dos jogos paralímpicos.

Até o dia 18 de setembro ficarão em exposição na Casa Brasil os produtos mais inovadores da indústria nacional de equipamentos médicos ligados à tecnologia assistiva.

Veja também