Ministro Ricardo Barros faz balanço de sua atuação na área da saúde

São Paulo, 1º de junho de 2017 –  O ministro da Saúde, Ricardo Barros, apresentou na última segunda-feira (29), os resultados do primeiro ano de sua gestão à frente do Ministério da Saúde ao ComSaude (Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia) na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

Com a adoção de medidas para tornar a administração mais eficiente, foi possível realocar, em um ano, R$ 3,2 bilhões para o custeio de mais serviços do SUS.

Isso representou para o cidadão ampliação do atendimento em hospitais, acesso a medicamentos, vacinas e renovação da frota de ambulâncias. “É uma ação que permitiu que todos os recursos fossem reinvestidos na saúde dos brasileiros. Em mais serviços de saúde, credenciamento de serviços de urgência e emergência, rede cegonha, atendimento de radioterapia e também acesso a medicamentos. Nosso foco é simplificar a oferta de recursos e ter informações de como foi aplicado o dinheiro”, declarou Ricardo Barros.

Foram habilitados 5.959 serviços de saúde em todo o Brasil. São serviços novos ou que já funcionavam, mas que não contavam com a contrapartida do governo federal, como leitos de UTI e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento). A medida beneficia 1.122 municípios distribuídos nas 27 Unidades Federativas. No mesmo período, também foi possível renovar a frota das ambulâncias do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) em 19 estados brasileiros, reforçando e qualificando o atendimento à população.

Ao todo, foram investidos R$ 53,8 milhões para aquisição de 340 unidades móveis, que substituíram os veículos com mais de cinco anos em funcionamento e sem renovação. Ainda na área de urgência e emergência, foram entregues 126 UPAs, com custeio anual na ordem de R$ 231,6 milhões.

Proximidade com o setor

O encontro recebeu mais de 230 pessoas, na maioria ligadas às principais entidades de setores que movimentam a saúde, não somente da indústria, mas de setores como medicina, odontologia e de laboratórios. O superintendente da ABIMO, Paulo Henrique Fraccaro, esteve presente no evento e considerou como positiva essa iniciativa do ministro de encontrar representantes e profissionais que atuam no segmento. “Uma apresentação como essa é muito significativa, pois propicia aos presentes a oportunidade de fazer perguntas, tirar dúvidas com o ministro da Saúde sobre seus planos, uma vez que, se essas pessoas tentassem fazer suas reuniões individualmente, até conseguir esses encontros, o tempo talvez seria extremamente grande”, pontuou Fraccaro.

O ministro respondeu prontamente a todas as pessoas presentes na plateia e demonstrou comprometimento com o planejamento de ações para o futuro da saúde. Segundo Fraccaro, é evidente que o momento que o Brasil está vivendo interfere no progresso das ações planejadas em benefício do setor, porém o ministro demostrou otimismo e confiabilidade. “Ele estava otimista e respondendo abertamente a todas as perguntas; aliás, ele ainda continuou respondendo às pessoas particularmente após o término do encontro”, disse o superintendente, que ainda acrescentou: “Foi um evento positivo, e vamos continuar a cobrança em cima do ministro e dos seus assessores para que as respostas dadas aos itens que consideramos extremamente importantes possam ser cumpridas”.

Veja também