Mercado latino-americano mostra amplo potencial para exportadores brasileiros

Principal bloco comprador dos equipamentos brasileiros tem destaque na rodada de negócios realizada na 26ª Hospitalar

O Projeto Comprador, iniciativa do Brazilian Health Devices, projeto setorial realizado pela ABIMO em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), trouxe ao Brasil sete potenciais compradores da América Latina para participar de mais de 180 reuniões com indústrias brasileiras. A ação, desenvolvida ao longo dos três primeiros dias da Feira Hospitalar 2019, recebeu representantes de duas empresas da Colômbia, duas do Peru, uma da Bolívia, uma do Panamá e uma da Costa Rica.

“A América Latina reúne alguns dos melhores parceiros comerciais do Brasil quando falamos em mercado de saúde. Somente essa região foi a responsável por importar 38% do montante de exportações brasileiras do segmento em 2018”, justificou Larissa Gomes, coordenadora de promoção comercial da ABIMO, enfatizando que a área de equipamentos médicos e hospitalares exportou cerca de US$ 188 milhões para os países latinos.

De acordo com Larissa, uma vez que o Brasil é forte exportador da região, a presença massiva desse bloco é essencial para o sucesso da rodada, cuja expectativa é consolidar US$ 3,15 milhões em novos contratos nos próximos 12 meses. “Temos tradição de negócios com a América Latina”, reforça a coordenadora.

Pela primeira vez na Hospitalar, a empresa panamenha Solis resolveu participar da feira para conhecer novos fabricantes e melhorar a qualidade do serviço oferecido em seu país. “As empresas brasileiras estão ficando conhecidas pela inovação”, disse a gerente de mercado Kelly Solis explicando que o portfólio da marca contempla equipamentos como monitores, incubadoras, respiradores, ressuscitadores, entre outros. “Estamos no mercado há 27 anos e atualmente importamos de vários países como Israel, Alemanha, Egito e Suíça, mas de 10% a 15% dos nossos produtos já são brasileiros.”

Com sede em Bogotá, a B&A Biomédicos Associados visitou a Hospitalar pela segunda vez com a expectativa de encontrar novos produtos que completem o seu portfólio com qualidade e preço. Distribuidora de equipamentos médicos e hospitalares variados e também voltados para maternidades, a empresa colombiana composta por 15 engenheiros importa principalmente de fabricantes europeus e americanos. “Mas queremos achar parceiros brasileiros, pois, além de estar mais perto, acreditamos que podemos encontrar aqui produtos funcionais e com bom preço”, relatou o gerente geral da B&A, Hernando Javier Rodriguez Arias.

Também da Colômbia, a septuagenária Tecnica Electromedica estreou na Hospitalar tendo entre seus fornecedores do mundo inteiro apenas uma empresa brasileira. “Pretendemos fechar negócio com pelo menos mais quatro empresas. Não que descartemos as outras, mas essas nos interessaram muitíssimo”, disse Yenny Bello Castro, diretora da importadora de equipamentos de salas cirúrgicas e descartáveis, uma das líderes do mercado colombiano, que tem capital aberto e 200 funcionários.

Segundo ela, as parcerias agora dependem da aprovação do órgão da vigilância sanitária colombiano, que leva cerca de seis meses para emitir as licenças. “Achamos esse convite da ABIMO muito bom, uma grande oportunidade, e queremos voltar nos próximos anos”, completa.

Já o Grupo Biomedica tem entre seus principais clientes o Brasil. Com 20 anos de existência, o carro-chefe da importadora são as lâmpadas para salas cirúrgicas e mesas de operação, estando presente em 18 dos 24 estados do Peru. Voltada principalmente ao setor público, 80% dos produtos comercializados pela Biomedica nesse segmento são de origem brasileira. “Compramos também alguns equipamentos da Alemanha, mas a tecnologia do Brasil é quase a mesma e o preço é melhor”, explica a diretora-executiva Claudia Rocca, que participa da Hospitalar pela segunda vez. Segundo ela, nas licitações públicas do seu país, 70% do que vale é o custo.

O Projeto Comprador também recebeu compradores árabes. Clique AQUI para saber mais a respeito das reuniões realizadas junto aos representantes da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

Veja também