Iniciativas da Fiesp miram a redução de juros

São Paulo, 16 de fevereiro de 2017- A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) tem participado ativamente da discussão para redução dos juros e feito propostas recorrentes ao governo. Entre essas ações está o trabalho elaborado pela entidade e apresentado ao presidente Michel Temer, propondo um corte mais agressivo da taxa Selic, em agosto de 2016. Além disso, a Fiesp organizou um seminário em outubro do ano passado para avaliar as causas dos juros elevados no Brasil e debater propostas de redução da taxa básica de juros com especialistas, professores, empresários e ex-diretor do Banco Central.

Na ocasião do seminário, o Decomtec (Departamento de Competitividade e Tecnologia) da Fiesp apresentou um trabalho apontando para a necessidade de redução da taxa básica de juros, evidenciando também que diversos países enfrentam situações semelhantes à brasileira e têm um juro real inferior ao nosso.

O seminário também foi tema de matéria divulgada no jornal Valor Econômico com o título “Após ‘pato’ contra impostos, Fiesp mira queda de juros”. A Federação organizou ainda reuniões com o Banco Central, seus diretores e seu presidente, Ilan Goldfajn, em Brasília e em São Paulo. Foram reiteradas manifestações públicas do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, para redução dos juros.

Os resultados dessas ações já se manifestam no início do ciclo de queda da taxa básica de juros. Em janeiro deste ano, o Banco Central reduziu a Selic em 0,75 pontos percentuais, mais do que o esperado pelo mercado.

Apesar do corte ainda tímido, há indicações de que o ritmo de corte de 0,75 p.p. continuará nas próximas reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária). Além da redução dos juros no curto prazo, a Fiesp busca a queda estrutural da taxa Selic e a redução dos spreads bancários a fim de promover um ambiente de negócios mais favorável ao setor industrial e ao investimento produtivo.

Clique aqui para ver a apresentação do seminário sobre redução de juros

Clique aqui para ver a matéria publicada no Valor Econômico na íntegra

Veja também