Empresas nacionais de dispositivos médicos se reúnem com potenciais compradores estrangeiros no Projeto Comprador Oriente Médio

As participações das companhias brasileiras são feitas por meio da parceria entre a ABIMO e Apex-Brasil

Companhias ligadas ao Brazilian Health Devices – projeto de exportação da Associação Brasileira da Indústria de Dispositivos Médicos (ABIMO), em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) – marcaram presença no Projeto Comprador Oriente Médio, que tem como objetivo reunir empresas de dispositivos médicos com compradores estrangeiros – os quais atuam localmente como importadores e distribuidores.

Em formato online, o evento foi realizado no período de 16 a 26 de agosto, e permitiu aos participantes mais flexibilidade para agendamento de reuniões e negociações com empresas estrangeiras interessadas nos seus produtos. Os encontros virtuais aconteceram por meio da plataforma do projeto, a qual possibilita prospecção de oportunidades comerciais e até mesmo o fechamento de negócios. Esta edição contou com 31 vendedores e 19 compradores, além de gerar US$ 213.000 em vendas imediatas e US$ 2.790.000 em negociações para os próximos meses.

De acordo com o coordenador de Acesso e Mercados da ABIMO, Rafael Cavalcante o enfoque no Oriente Médio e a nova arregimentação de potenciais compradores nessa região renovam as perspectivas comerciais das empresas associadas à entidade. “Destacamos também a consolidação do modelo virtual do Projeto, que deve continuar sendo utilizado mesmo após terminadas as restrições decorrentes da pandemia. A ideia é combiná-lo com alternativas presenciais, para gerar novas possibilidades híbridas e explorar o melhor de cada modelo”, afirma.

Para Edson Grisanti, gerente de Exportação e Importação da Medpej Equipamentos Médicos, a participação nesse evento foi de grande valia. “Visamos a ampliação de mercados de atuação e os contatos efetuados nos possibilitaram iniciar interações com importadores e distribuidores que atuam na linha médica em países do Oriente Médio e Norte da África, e que demonstraram muito interesse nos nossos produtos. O formato on-line do encontro foi bem estruturado, e permitiu a realização de reuniões a custo praticamente zero, se compararmos aos presenciais”, ressaltou.

“A geração de negócios foi um excelente começo, estamos realmente felizes. Acredito que a barreira inicial com o Oriente Médio foi quebrada e os importantes contatos que fizemos irão perdurar e trazer visibilidade, não só a nossa empresa, mas também ao BHD em geral. É um desafio adaptar-se, mas o formato virtual nos agradou bastante. Imagino que se deve muito ao excelente desempenho da organização e das empresas envolvidas. A grande vantagem é a autonomia e a flexibilidade que as reuniões on-lines proporcionam, além de serem mais “leves” e muito mais práticas”, comenta Jordana Schnorenberger Lopes, analista de Negócios Internacionais da Kolplast.

Sobre a ABIMO
A Associação Brasileira da Indústria de Dispositivos Médicos (ABIMO) representa a indústria brasileira de produtos para a saúde que promove o crescimento sustentável no mercado nacional e internacional. Fundada em 1962, a instituição conta com mais de 300 associados e surgiu a partir da ideia de 25 fabricantes de produtos médicos e odontológicos com o objetivo de fortalecer, organizar e regulamentar o segmento. Nesses anos de trabalho, a ABIMO expandiu suas operações de suporte à cadeia produtiva através de conselhos e grupos de trabalho, os quais respondem por todos os aspectos técnicos, operacionais e associativos do setor.

Sobre o Brazilian Health Devices
O projeto setorial Brazilian Health Devices, executado pela ABIMO em parceria com a Apex-Brasil, tem como missão fomentar as exportações das indústrias de artigos e equipamentos da área da saúde. Brazilian Health Devices é a marca que reúne as indústrias exportadoras do setor e as representa internacionalmente.

Sobre a APEX-BRASIL
A Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) tem a missão de desenvolver a competitividade das empresas brasileiras, promovendo a internacionalização dos seus negócios e a atração de investimentos estrangeiros diretos. A Agência também atua de forma coordenada com atores públicos e privados para atração de investimentos estrangeiros diretos (IED) para o país.

Veja também