Com foco em tecnologias assistivas, empresas mostrarão potencial de seus produtos em feira na Alemanha

Com o propósito de fomentar as exportações brasileiras de produtos voltados para tecnologias assistivas e reabilitação, algumas empresas que fazem parte do Projeto Brazilian Health Devices estarão presentes na Alemanha, entre os dias 28 de setembro e 1 de outubro para participação na Rehacare. A Freedom, fabricante de cadeiras de rodas, a Ibramed, produtora de equipamentos para reabilitação física, assim como a Politec, companhia que produz aparelhos auditivos e a Jumper, desenvolvedora de cadeira de rodas personalizadas para a prática de esporte, estarão presentes apresentando produtos e representando o Brasil nessa primeira participação do país no evento.

A Rehacare é a feira mais importante da Europa no setor de reabilitação. O evento, que acontecerá na Messe Düsseldorf, será uma plataforma ideal para qualquer pessoa com necessidades de cuidados ou doenças crônicas, bem como para os idosos, pois proporcionará troca de experiências e uma ampla variedade de atividades. A diversidade de temas, tais como prevenção, mobilidade, inclusão, turismo, esportes, oportunidades de carreira e muito mais estarão à disposição dos participantes, pesquisadores, bem como os mais de 900 expositores e especialistas de todo o mundo.

Na Alemanha a acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida é regra e não exceção. Além de as cidades serem pensadas e construídas para ser completamente acessíveis – calçadas bem-feitas, niveladas e sem obstáculos; bondes com piso baixo que facilita o acesso ao transporte público; sistemas de orientação para cegos e pessoas com baixa visão –, o país tem a maior indústria de tecnologia assistiva do mundo, seguido dos Estados Unidos.  Para Laísa França, coordenadora de promoção comercial da ABIMO, a participação brasileira na Rehacare fortalecerá a imagem da indústria de reabilitação e mostrará a capacidade de negócios nesse setor. “Há grande potencial industrial brasileiro, porém ainda precisa ser organizado e muito apoiado. O objetivo da nossa participação nesse importante evento é impulsionar as exportações brasileiras deste tipo de produção com foco na saúde, funcionalidade e bem-estar do paciente”.

Durante o evento, alguns para-atletas farão demonstrações de produtos brasileiros, e no dia 30 de setembro, haverá um Happy Hour no pavilhão para promover networking entre os visitantes da feira e os fabricantes do Brasil.

Oportunidade de mercado

Um estudo realizado pelo CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos) a pedido da Secis/MCTI (Secretaria de Ciência e Tecnologia para a Inclusão Social do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) identificou que o Brasil tem grande competência para o desenvolvimento de tecnologia assistiva, mas, para que ocorra, é fundamental que ações planejadas e integradas sejam implementadas considerando a participação de governo, associações de classe e indústria.

Para incentivar e incrementar os negócios na área, a Apex-Brasil tem voltado esforços a fim de aumentar o número de empresas brasileiras da área de tecnologia assistiva no exterior. A agência firmou parceria com a ABIMO para colocar em prática um plano de negócios que indicará potenciais mercados no exterior. Nesse projeto se pretende organizar internamente uma parte do setor, regulamentá-lo e prepará-lo para o mercado internacional. Segundo Clara Porto, gerente de marketing e exportação da ABIMO, a ideia é fazer um planejamento estratégico que impulsionará as exportações dos fabricantes brasileiros de produtos de tecnologia assistiva de saúde.

Além de fazer um estudo detalhado sobre o mercado local – com mapeamento dos fabricantes, identificação de lacunas e pontos a melhorar para fortalecer a indústria nacional –, a ABIMO trabalhará em conjunto com associações de países cujo segmento de tecnologia assistiva já está estrategicamente organizado.

Veja também