ABIMO, SINAEMO e representante do legislativo federal debatem sobre a indústria de saúde no Fórum de Líderes da HospitalMed Digital

Na última quarta-feira, 28 de outubro, a ABIMO e o SINAEMO participaram do Fórum de Líderes, promovido pela HospitalMed Digital, e foram protagonistas do painel “Saúde feita no Brasil: a indústria nacional como alavanca de transformação do sistema de saúde brasileiro”.

Paulo Henrique Fraccaro, superintendente da ABIMO foi o mediador do painel que contou, ainda, com a participação de Franco Pallamolla, presidente da ABIMO e da Lifemed, Ruy Baumer, presidente do SINAEMO e CEO da Baumer S/A e Pedro Westphalen, deputado federal (PP-RS).

Fraccaro abriu o painel ressaltando a importância de se ter uma saúde feita no Brasil e que, apesar de todos os problemas enfrentados pelo setor, a indústria respondeu rapidamente, com qualidade e atendendo às demandas do período. Destacou também que a pandemia na qual estamos vivendo traz expectativas preocupantes, principalmente pela segunda onda do coronavírus na Europa e o aumento dos casos nos Estados Unidos.

O presidente da ABIMO reforçou a importância de uma Reforma Administrativa para que a política fiscal passe a estimular a produção local. Ele citou, ainda, que o Brasil é um dos poucos países que não estimulam sua indústria e fez um comparativo com os Estados Unidos e a Alemanha, que têm utilizado seu poder de compra de forma firme, decidida e construtiva durante a pandemia. Segundo Pallamolla, esse tipo de iniciativa acelera a incorporação da inovação, o desenvolvimento tecnológico e o adensamento da cadeia produtiva.

Ele acrescentou que cabe ao governo tecer, construir e propor, em conjunto com os demais órgãos, uma política industrial robusta, já que o setor de dispositivos médicos é estratégico, principalmente num momento de pandemia, e não pode ficar descoberto de leis que fomentem o seu desenvolvimento.

Para o presidente do SINAEMO é preciso equalizar toda a cadeia com isonomia tributária, novos modelos de compra e aquisição de insumos e dispositivos e precificação justa para atender todos os setores. De acordo com Ruy Baumer, a Reforma Administrativa precisa contemplar esses pontos para que haja equilíbrio no custo das estruturas estaduais, municipais e federal. Ele acrescentou que a saúde no Brasil é uma política de governo e não de Estado, fator que inviabiliza mudanças e a continuidade de projetos, já que é feita de acordo com cada governo eleito.

Para o deputado federal, Pedro Westphalen, a pandemia tem sido uma oportunidade para ver assuntos que estavam parados e outros que não estavam em evidência. Ele reforçou que a Reforma Administrativa é a mais importante e que serão necessárias revisões, principalmente tributárias, para que se possa fazer políticas públicas permanentes para não haver surpresas. O deputado também comentou que o governo federal precisa ter ações de incentivo para que a indústria nacional responda da maneira que o país precisa neste momento.

Saiba mais aqui.

Veja também