ABIMO participa da Rehacare, feira voltada para o setor de tecnologias assistivas e reabilitação na Alemanha

Com o objetivo de fomentar exportações de produtos brasileiros voltados para tecnologias assistivas e reabilitação, empresas associadas à ABIMO e que fazem parte do Projeto Brazilian Health Devices, executado pela entidade em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), estão presentes na Alemanha para participarem da Rehacare. A Freedom, fabricante de cadeiras de rodas, a Ibramed, produtora de equipamentos para reabilitação física, assim como a Politec, companhia que produz aparelhos auditivos, e a Jumper Wheelchairs, desenvolvedora de cadeira de rodas personalizadas para a prática de esporte, estão apresentando produtos e representando o Brasil nessa primeira participação do país no evento.

A Rehacare é a feira mais importante da Europa no setor de reabilitação. O evento, que acontece na Messe Düsseldorf, é uma plataforma ideal para pessoas com necessidades de cuidados ou doenças crônicas. O Brasil abriu a sua participação com o pé direito se destacando com um design inovador num espaço que foi estrategicamente pensado para ser funcional para vários tipos de deficiências. O stand conta com materiais em braile, assim como um espaço inclusivo para deficientes, demonstrações de inclusões através do esporte e características que lembram a cultura brasileira.

Quadra de basquete, box de crossfit, rampa de skate, mesas, café humanitário, maca para fisioterapia e reabilitação são alguns dos benefícios oferecidos ao público no local. Todos os espaços são comunitários e há grande interação dos visitantes com as empresas expositoras, a equipe e os atletas. Para o gestor de projetos da Apex-Brasil, Gabriel Isaacsson, a feira possui característica global e apresenta bastante potencial para negócios por receber distribuidores do mundo inteiro, não somente da Europa. “Nosso stand ficou com uma identidade típica do nosso país, onde conseguimos transmitir positivamente as características do povo brasileiro: alegria, hospitalidade e capacidade de superação”, ressaltou Isaacsson, que ainda acrescentou: “A Rehacare tem potencial para interação multissetorial. Podemos ver materiais para construções acessíveis e já começamos a analisar uma possível interação com outros setores”.

De acordo com Clara Porto, gerente de marketing e exportação da ABIMO, a interação está sendo muito positiva, pois é possível medir a qualidade e a aceitação do produto brasileiro no mercado alemão, que é conhecido por exigências relacionadas à inclusão social. “Foi justamente o nosso espaço, por ser aberto e inclusivo, que chamou a atenção dos visitantes. O design inovador foi pensado estrategicamente para que conseguíssemos fazer uma promoção comercial de maneira inovadora e num mercado altamente exigente”, explicou.

Na Alemanha, a acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida é regra e não exceção. Além de as cidades serem pensadas e construídas visando à acessibilidade – calçadas bem-feitas, niveladas e sem obstáculos; bondes com piso baixo que facilita o acesso ao transporte público; sistemas de orientação para cegos e pessoas com baixa visão –, o país tem a maior indústria de tecnologia assistiva do mundo, seguido dos Estados Unidos.

Potencial de negócios

O primeiro dia do evento, na última quarta-feira (28), foi bastante movimentado e satisfatório para as empresas. De acordo com Carolina Kobylanski, proprietária da Jumper Wheelchairs, os resultados não podiam ser melhores, ultrapassando as expectativas da companhia. “O nosso stand recebeu muitos visitantes no primeiro dia. Estamos demonstrando alguns esportes desenvolvidos no Brasil juntamente com as nossas cadeiras esportivas. Nós atendemos mais de 15 países, entre eles Suíça, Alemanha, Itália, França, Uruguai e Colômbia”, disse Carolina. “Além dos contatos, o maior feedback que recebemos foi com relação à qualidade dos nossos produtos e o atendimento humano, típico do brasileiro. Os visitantes ficaram impressionados com as cores das nossas cadeiras e esse retorno foi maior do que imaginávamos. Estamos negociando algumas parcerias para este ano ainda”, complementou.

A Rehacare é uma oportunidade para as empresas demonstrarem ao mundo a qualidade, a eficácia e a tecnologia do produto brasileiro. “Ouvir dos usuários e distribuidores que eles estão impressionados com a qualidade da nossa produção nos trouxe uma satisfação imensa. Com qualidade, bom preço e o excelente atendimento brasileiro, o resultado da feira não poderia ser diferente”, comemorou Carolina.

O evento tem um perfil dividido entre o público B2B e B2C, ou seja, conta com grande visitação de clientes finais e a outra metade do público realiza contatos comerciais. “É um perfil diferente daquele a que o Brazilian Health Devices está habituado, porém é mais usual para reabilitação e tecnologias assisitivas. A Rehacare é diferente porque tem uma boa parcela de distribuidores e a sua dinâmica de visitação é interessante, pois atrai tanto distribuidores como clientes finais. Com isso, a empresa expositora deve estar preparada para atender ambos os públicos”, enfatizou Clara.

De acordo com o superintendente da ABIMO, Paulo Henrique Fraccaro, a participação brasileira foi muito positiva. “Vejo que temos um amplo potencial nesse mercado e a ABIMO tem uma grande responsabilidade daqui para a frente de oferecer melhor organização principalmente na área de certificação. Acertamos ao idealizarmos a nossa vinda à feira, bem como ao planejarmos o layout para o nosso stand. Os associados que aceitaram essa parceria estão felizes com os resultados, e todos estão com um nível de visitação suficiente para justificar sua participação”, destacou.

Durante o evento, alguns atletas estão fazendo demonstrações de produtos brasileiros, e nesta sexta-feira (30), haverá um happy hour no pavilhão para promover networking entre os visitantes da feira e os fabricantes do Brasil. “A experiência está sendo muito positiva e esperamos colher bons frutos, porque essa deve ser uma ação que se repetirá no futuro, já que notamos um grande potencial na Rehacare”, finalizou o gestor de projetos da Apex-Brasil.

Veja também