ABIMO e BioBrasil firmam parceria com o HC para incentivar a inovação

evento na Fiesp

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), através do seu departamento BioBrasil – Comitê da Bioindústria, juntamente com a ABIMO, Fundação Zerbini, Fundação Faculdade de Medicina e o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP assinaram, na manhã desta quarta-feira (17), um contrato de cooperação com o objetivo de unir esforços para o desenvolvimento do projeto “Coalisão pela Inovação na Saúde”. A iniciativa visa fomentar a inovação e o desenvolvimento de iniciativas de curto e médio prazo que possam apresentar projetos que irão gerar valor à cadeia produtiva, criativa e de conhecimento.

“O projeto tem como finalidade criar um ambiente de networking e ser uma grande ponte entre os setores que dificilmente têm tido um entrelaçamento de ideias. Com isso, a inovação terá melhor fluidez entre vários pilares importantes para a criatividade”, explicou Paulo Henrique Fraccaro, superintendente da ABIMO, que ainda destacou: “O momento é extremamente importante, pois estamos dando oportunidade às empresas para que tenham acesso à academia”.

A ação busca viabilizar ideias inovadoras ocorridas dentro da academia e transformá-las em produtos comerciáveis, por meio da ABIMO e da Fiesp, fazendo parceria com a indústria.

“Faz parte do nosso projeto incentivar institutos de pesquisa, universidades, hospitais, usuários e a indústria instalada no Brasil para acelerar a inovação de produtos”, ressaltou Ruy Baumer, presidente do SINAEMO e coordenador titular do BioBrasil/ ComSaúde, que ainda acrescentou: “Acreditamos que as entidades educacionais e de pesquisa, usuários e professores têm o compromisso de compartilhar os seus conhecimentos dentro do setor para melhorar produtos, serviços, sistemas e processos que existem no Brasil”.

Para o Prof. Dr. Giovani Cerri, presidente do conselho diretor do INRAD –  Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, essa aproximação entre o Hospital das Clínicas e a indústria é um passo muito importante. “A resistência que existia no passado entre as universidades públicas e privadas de colaborarem com a indústria é uma página virada neste momento. O setor de saúde precisa de colaboração para crescer e atender a demanda nacional da indústria”, disse Cerri. “Precisamos usar a inteligência da universidade e da indústria para desenvolver projetos que sejam adequados para a realidade da saúde brasileira, e esse potencial existe, mas é preciso unir forças”, complementou.

“A saúde no país não pode esperar muito tempo, as coisas precisam andar mais depressa”, frisou André Giordano, superintendente administrativo da Fundação Zerbini.

De acordo com o Prof. Dr. Flávio Fava de Moraes, diretor geral da Faculdade de Medicina, o momento é de extrema importância para ambas as partes. “O que antes era uma dupla hélice do DNA entre o empresário e a universidade, virou uma hélice tríplice porque entra agora um sistema de apoio interveniente que vai poupar o tempo do pesquisar e do empresário e terá alguém responsável para fazer a tramitação operacional dos convênios. Isso vai corrigir o defeito anterior que não era proposital, mas era uma consequência que deixava muito lenta a evolução das associações, agora vão ser mais expeditas e isso é muito bom”, comentou.

Antônio José Rodrigues Pereira, superintendente do Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP, fez o último discurso do encontro muito otimista. “Esse convênio tem tudo para dar certo, temos que fazer de tudo para que seja um projeto permanente e para que possamos apresentar resultados. Sinto grande orgulho em fazer parte disso”.

Primeiro passo

Essa discussão foi iniciada em maio durante a Feira Hospitalar com a assinatura do termo de cooperação técnico-científica para o desenvolvimento do projeto. Hoje, foi assinado o contrato de parceria, que oficializou o acordo.

Veja também