Brasil terá a maior demanda por agulhas e seringas para uma vacina COVID-19 que se possa imaginar


O país vai querer importar ou aumentar a produção de suprimentos médicos para atender à demanda de mais de trezentos milhões de seringas para imunização; Novos produtos ainda terão que passar pela certificação e devem satisfazer as necessidades técnicas de qualidade, funcionalidade e segurança.

A possível falta de suprimentos médicos para iniciar temporariamente a vacinação com COVID-19 pode levar a uma verdadeira corrida pelos tecidos nos próximos meses. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo), serão necessárias pelo menos 300 milhões de seringas em um período de 3 a 4 meses.

Segundo a associação, neste período, o país consegue produzir cerca de 50 milhões de dispositivos médicos para vacinação. A solução, portanto, é importar ou depender de empresas que, com o maquinário certo, podem produzir mais insumos.

Tão vital quanto a proteção de equipamentos médicos, a qualidade das agulhas e seringas também garante a proteção do paciente. Existem dois critérios que determinam a funcionalidade e as necessidades de proteção de agulhas e seringas: ISO 7864-1: 2016 e ISO 7886-1: 2017, respectivamente. “Um dos testes mais importantes feitos com seringas é medir o volume da escala graduada, onde verificamos se as tolerâncias estão dentro dos limites do padrão, e esse é um dos fatores, por exemplo, Array que promete o precisão da dosagem do medicamento ”, explica Ariane Tada, coordenadora técnica do Laboratório de Agulhas e Seringas da TÜV Rheinland, destacando que além dos critérios técnicos da ISO, existem RDC (Resoluções do Conselho Colegiado) da ANVISA obrigatórias para comercialização dos produtos, bem como as prescrições do Inmetro que identificam as regras de certificação.

No Brasil, a TÜV Rheinland é líder de mercado no controle de agulhas e seringas e já está credenciada para atender aos critérios máximos existentes exigidos pela Anvisa. A empresa possui um laboratório de verificação em São Paulo, credenciado pelo CGCRE / INMETRO. O laboratório verifica cerca de 250 famílias de produtos por ano, explica Ariane Tada.

Sobre TÜV Rheinland

A TÜV Rheinland é sinônimo de proteção e qualidade em quase todas as áreas da vida e dos negócios. Fundada há cerca de 150 anos, a empresa é uma das principais fornecedoras mundiais de serviços de cheques, com mais de 20.000 funcionários e receita anual de € 2 bilhões. Especialistas altamente qualificados da TÜV Rheinland verificam sistemas técnicos e produtos em todo o mundo, inovações tecnológicas e de negócios, treinam outros de várias profissões e certificam sistemas de controle de acordo com padrões estrangeiros. Desta forma, especialistas independentes constroem confiança nos produtos, nos processos das cadeias globais que aumentam os preços e no fluxo de matérias-primas. Desde 2006, a TÜV Rheinland é membro do Pacto Global das Nações Unidas (ONU) para promover a sustentabilidade e combater a corrupção. Site: www.tuv.com.

Veja a matéria completa